O cotidiano de alguém que tem Alzheimer

Publicado em 02/01/2018 por Everton

A principal finalidade deste guia é fornecer aos cuidadores de portadores de alzheimer dicas e cuidados úteis sobre os diferentes aspectos do cotidiano desses pacientes, ajudando na compreensão da doença e nas condutas a serem tomadas.

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

O que acontece?

Desde os primeiros estágios da descoberta da doença de Alzheimer, há um grau de piora cognitiva que dificulta a alimentação correta do paciente, que não consegue mais manter uma dieta equilibrada. O principal problema ocorre principalmente devido ao abandono de atividades complexas, como cozinhar. Na maioria das vezes, o paciente passa a preparar refeições por alimentos mais simples a aos poucos substitui por alimentos já prontos, que são pouco nutritivos e quase nada saudáveis . As mudanças no olfato e paladar e as mudanças alimentares substituem uma dieta saudável por uma dieta quase exclusiva em um tipo de alimento. Muitos pacientes, neste momento, podem ficar compulsivos e acabam tendo o desejo de comer, por exemplo, somente doces.

Outra questão que pode ocorrer é que devido ao problema cognitivo, comum á doença de Alzheimer, os pacientes também podem esquecer que já comeram. E, finalmente, existem os pacientes com doença avançada que, não somente pelo comprometimento cognitivo, mas principalmente pela incapacidade motora de não têm mais condição de usar a boca para a alimentação ou ingestão de líquidos.

A ALIMENTAÇÃO INFLUENCIA O RENDIMENTO COGNITIVO DO PACIENTE, SENDO IMPORTANTE CUIDAR DELA DESDE OS PRIMEIROS MEROS SINTOMAS DA DOENÇA.

DICAS; O QUE PODEMOS FAZER?
  • Deixar a geladeira abastecida com alimentos frescos, variados, nutritivos e de fácil preparo, como alimentos que podem ser ingeridos crus, cozidos ou grelhados. Assim, fica mais facil a manutenção de uma dieta nutritiva pelo paciente.
  • Preparar alimentos e armazená-los em recipientes adequados para sua conservação, em quantidade suficiente para consumo após aquecimento pelo paciente.
  • A boa aparência de certos alimentos pode estimular o apetite em casos de falta de apetite ou inapetência.
  • Regular e manter os horários de refeições, estabelecendo uma rotina que irá facilitar que o paciente sinta fome na hora das refeições.
  • Dividir a alimentação em 4-5 porções diárias para assegurar a correta ingestão dos nutrientes necessários. No caso de uma refeição não ser realizada ou ser escassa por algum motivo, poder compensar na próxima refeição.
  • Não excluir o paciente das refeições familiares, independente dos possíveis incômodos que isto possa causar.
  • Medir a temperatura da comida antes de servi-la ao paciente, pois muitas vezes este pode apresentar perda da sensação térmica e queimar-se involuntariamente com os alimentos.
  • Lembrar o paciente da necessidade de tomar líquidos, estimulando a ingestão e oferecendo alimentos como sopas e vitaminas /iogurtes.